Siga nos:

© 2015 - Canil Von Gladsheim Woden

 Gravataí/RS. 

E-mail: dobermannrs@hotmail.com

+55(51)998678539 - WhatsApp

ABOUT

 

 

 

 

 

Quem sou

 

 

Me chamo Alexsandro Schneck, sou funcionário público municipal desde 2006 da área da saúde de Gravataí/RS, e em 2008 depois de procurarmos muito, tanto em canis quanto em criadores caseiros, conseguimos comprar nossa primeira cadela da raça Dobermann, que na época não possuia registro(pedigree), mas também não tinhamos o intuito de reproduzir. Aos dois anos de idade dela pensei em tirar uma cria, mas foi outra briga, não havia machos da raça na região, então quando consegui, tivemos a primeira cria dessa fêmea.

Foi quando pensamos em manter essa reprodução, visto que não havia um criador, produzindo Dobermans aqui no RS, e assim foi por um tempo. Até que um dia, resolvi começar a me qualificar e procurar mais informações sobre a cinofilia e em especial sobre a raça Dobermann. Nesse ponto, apresentei essa minha cadela que não tinha pedigree,a um juiz da SOBRACI que a avaliou e concedeu um registro inicial, que através deste, começamos a emitir novos registros, para suas crias que nasceram após.

Após um tempo de estudos e fazendo novas amizades nas redes sociais, com outros criadores, tive o apoio e incentivo de alguns, para compra exemplares da raça com pedigrees CBKC, linha estrutura para exposição, Mas percebi, que aquela imagenm que tinha dos Dobermans dos anos 80, que eram cães bonitos, atleticos, ageis, corajozos e protetores, começavam a ser esquecidos, principalmente o quesito corajozo e protetor. Foi então que houvi falar que no mundo cão, existia duas linhagens, cães de estrutura, que visam a estética e desfiles em pistas de exposições e os cães de Trabalho, que são utilizados em serviços da segurança pública e privada, esportes.

Então comecei a procurar por pessoas que criavam essa linhagem de trabalho, para implantar e melhorar e qualificar meu plantel.

Hoje o meu objetivo é tentar obter o melhor possível da cruza de cães de linhagem de esporte/trabalho com cães de estrutura, procurando o equilibrio e uma possível perfeissão na raça.Visando a melhora do meu canil, hoje estou me qualificando com adestrador profissional, para trabalhar e entender melhor meus cães, fazendo assim um manejo adequado.

 

CÃES DE TRABALHO

Ouvimos muito atualmente sobre a tal da “linhagem de trabalho”, mas, o que realmente seria essa linhagem?

 

Na verdade eles são a mesma raça, controlada pelo mesmo organismo de registro, mas pertencem a uma linhagem genética específica para trabalho em polícias, proteção pessoal, guarda e companhia, muito distinta da linhagem de exposição; seu único critério de escolha de reprodutores é o desempenho em trabalho, que é consequência natural e obrigatória de sua saúde, inteligência, disposição para trabalhar e servir, subordinação, agressividade e equilíbrio, sendo que, esse desempenho e saúde só tem condições de serem realmente avaliados quando um cão é treinado e submetido a trabalho por muitos anos. Não há como avaliar a aptidão para o trabalho sem colocar diretamente cada indivíduo a prova, em treinamento e, nas provas.

 

São cães mais robustos, tem mais saúde, são mais rústicos, tem a estrutura física mais atlética, não tem aquela garupa “rebaixada” e aquele andar desengonçado, e o temperamento é muito mais equilibrado e mais confiável. São cães com aptidões desde atividades policiais de alta performance, esportes policiais e militares, proteção pessoal, guarda ou companhia, ou mesmo para quem quer apenas ter um companheiro para correr e levar para trotar de bicicleta, nadar, escalar montanhas etc.

 

Não é nada novo, é apenas o Dobermann, o original, que aos poucos foi meio esquecido e ofuscado pelo modismo dos cães de exposição. Os cães de exposição, por sua vez, foram selecionados apenas pelos seus quesitos estéticos, perdendo sua desenvoltura, saúde, longevidade, atletismo e o principal: o temperamento, que tanto consagrou o Dobermann, a única raça que foi criada para trabalho.

 

O Canil Gladsheim Woden, inicia sua existencia no mês de Dezembro de 2015, com o intuito de resgatar o verdadeiro Dobermann no Brasil, tendo iniciado nossas atividades com o apoio de alguns poucos canis  da raça Dobermann linhagem de trabalho e quem sabe no futuro, talvez importando da Alemanha e outros paises europeus, matrizes e reprodutores do que é, atualmente, denominada “Linhagem de Trabalho”, mas que na verdade nada mais é do que o o Verdadeiro Dobermann, original, desde sua concepção, nos anos de 1870, pelo Friedrich Louis Dobermann. Nessa data, obteve “sua raça”: não apenas alerta, mas um cão de trabalho altamente protetor para casa e família. Eles eram frequentemente utilizados como guardiães e cães de polícia. Sua extensa utilização no trabalho policial deu-lhe o apelido de “Gendarme dog”. Eram também, utilizados em caçadas para controlar grandes animais predadores. Nessas circunstâncias, era claro que o Dobermann fosse reconhecido oficialmente como “Cão de Polícia”, no início do século XX.

Na europa e atualmente em algus Estados no Brasil, são selecionado através de seu desempenho em provas objetivas de trabalho, de origem militar, denominadas até o ano de 2012 de Schutzhund (Cão de Proteção no português), e, atualmente pela sigla IPO.

 

 

Essas provas são divididas em níveis de dificuldade, que vão do mais básico, IPO1, ao mais difícil, IPO3, que é a categoria de competições internacionais. Independente dos graus de dificuldades (IPO 1, 2 ou 3), todas elas são compostas de 3 seções: A – Faro, B – Obediência e C – Proteção, e, por isso, são conhecidas como o Triatlo canino de cães de trabalho.

 

Na seção A – Faro, os cães devem reconhecer e seguir disciplinadamente uma trilha marcada por uma pessoa em um determinado terreno, na qual é perdida alguns objetos, que devem ser localizados e corretamente indicados pelo cão. O tamanho da pista, o tempo de espera para a entrada do cão para o início do rastreio e o número de objetos é dependente da categoria.

 

Na seção B – Obediência, os cães devem executar vários exercícios de subordinação e utilitários, de maneira rápida, alegre, motivada, precisa e concentrada, sem demonstrar timidez ou indícios de treinamento sob pressão. A pressão ou forçamento durante o treinamento é algo altamente indesejável, e, nas provas pode se perceber claramente aqueles cães que trabalham motivados, e, os que trabalham sob pressão, que não tem vez nos certames.

 

Na seção C – Proteção, os cães devem executar diversos exercícios de proteção ao condutor, desde a busca e localização em esconderijos distribuídos em um campo, sem agressão gratuita, até situações de imobilização do figurante (homem que porta os equipamentos de proteção), onde serão avaliados a energia e o completo controle do cão.

 

Além desse triatlo, para aqueles que querem se especializar ainda mais, existem difíceis provas constituídas somente da seção de faro, denominadas FH (em português CF – Cão de Faro), que também tem os níveis 1 e 2, e que tem como pré-requisito anterior obrigatório as provas de IPO antes mencionadas.

Como os chamados “Cães de Trabalho” não são selecionados por um critério ou padrão estético/visual, apresentam-se nas mais variadas cores e tipos. Seu critério de seleção é unicamente o desempenho no triatlo canino: IPO, onde são enaltecidas suas capacidades físicas, de temperamento e, de saúde articular, como verdadeiros atletas!